Sobre nós Contactos

NEWSLETTER
Recomendação
Título Autor Colecção ISBN  
A fábrica de nada
Tradutor: David Bracke, Miguel Castro Caldas
Colecção: Teatro
Ano de Edição: 2005
ISBN: 978-972-994-508-3
Sinopse
Uma fábrica de cinzeiros fecha, e os trabalhadores, não querendo ficar desempregados, resolvem continuar a trabalhar numa nova produção: nada. À volta de nada organiza-se tudo, desde a escolha do gerente da fábrica, aos furtos dos produtos e aos tribunais, com muita música cantada e tocada a mostrar por que caminhos segue esta história. Estes operários que preferem fazer nada a nada fazer inscrevem-se mais na linha do saber ver quando se vê do Alberto Caeiro e do fazer não fazendo do Lau Tsu, do que no preferia não o fazer do Bartleby. Em lugar da angústia do desaparecimento das coisas e dos seres que a palavra vazio sugere, o vazio que o patrão deixa ao fechar a fábrica permite o vazio do espaço côncavo em que tudo pode acontecer precisamente porque está vazio. Permite a boa projecção do som. E os músicos, atrás dos actores, seguem atentamente o que se vai passando com as vozes. Estes operários dizem-nos assim, a cantar: a fábrica fecha, não faz mal, nós continuamos na mesma, não nos vão ver aos molhos nos noticiários a protestar à porta da fábrica, nem vamos calados para casa perder a nossa dignidade no sofá. Não precisamos de mais nada do que estarmos uns com os outros porque força como esta só existe outra, que também temos: a música.
 


voltar
Paypal.com
Livro Reclamações

© 2021 EDIÇÕES COTOVIA, LDA
Praça das Águas Livres, n.º 8, 2.º C - Esquerdo, 1250 - 001, Lisboa, NIF 501692282, Telefone: (00351) 211 334 426